sobre ir a china

unreadable postcards

Já tinha desistido da China quando comecei minha viagem: não tinha dado tempo de tirar o visto no Brasil, fazer isso em outro país parecia um trampo penoso e, no fundo, não estava lá muito certa de que queria mesmo ir para lá.

Sempre detestei multidão. Não gosto, fico de mau humor, beiro o pânico quando sinto algum aperto. Situações que todo mundo costuma tirar de letra – um metrô meio apertadinho em dia de jogo, um bloco de carnaval cheio, um show com ingressos esgotados – exigem de mim um grande esforço psicológico para, literalmente, não ter um colapso nervoso.

O que passava na minha cabeça era: vai ser muito difícil aproveitar a China sozinha.

crowd
Foto escancaradamente roubada do Tiago (I)

Ouvi muito falar do quão difícil é se virar por lá por causa da língua e que os chineses não são lá muito simpáticos além de, por mais globalizada que tenha se tornado, a China continua sendo a China: uma ditadura de um partido só, obcecado com poder e mandando muito mais no mundo do que nossos líderes ocidentais gostam de admitir (ou não, difícil saber).

Mas o país continuava na minha cabeça. Alguma coisa me dizendo que não dava para deixar essa oportunidade passar. Meu instinto estava para tanto que, na hora de comprar minha passagem, garanti uma parada em Hong Kong só por via das dúvidas.

bye bye SEA

Algumas semanas antes de eu partir, meu pai fez uma viagem a trabalho para Beijing – de supetão, repentina. Meu estado intrigado aumentou. Ele voltou a tempo de me contar sobre a Praça da Paz Celestial; a Cidade Proibida e a Muralha. Coisas que você lembra remotamente de estudar na escola e depois escuta falar como algo distante, longe do seu alcance.

E quem não gosta da ideia de conseguir coisas longe do seu alcance?

great

Bastaram algumas conversas no skype para descobrir que – nas palavras dele mesmo – tinha um amigo tão demente quanto eu, que topou na hora a aventura.

asian style
Foto escancaradamente roubada do Tiago (II)

A China não é um país fácil. Rola uma tensão meio constante, meio onipresente. Estranha, mas discreta.

Quando fui tirar o visto em Bangkok, criei um clima esquisito quando a primeira atendente da embaixada leu no meu formulário que eu era jornalista. Ficou repetindo toda hora “Espera aqui. Você vai ter que falar com meu chefe. Espera aqui.” (ela ficava apontando para uma cadeira e fazendo uma cara muito séria).

Fiquei uma bela meia hora “esperando aqui” na tal cadeira, o nervosismo aumentando, me condenando pela burrice de ter posto uma profissão que nunca exerci, só está lá no meu diploma.

Tá certo, tem países muito mais tensos e jornalistas muito mais corajosos. E eu estava lá como simples mochileira. Queria só descobrir qual era todo o auê com o gigante asiático. Quem sou eu para falar qualquer coisa de danoso para o governo chinês?

chinese visa

Percebi que num país como a China, isso não faz nenhuma diferença. Não há espaço para o duvidoso. Tive uma pontinha – bem “inha” – da sensação do que é não ter liberdade. Já não gostei. Acho que foram aí que começaram meus problemas com os chineses. Conto mais disso depois.

dream come true

No fim, fugi da moça da embaixada assim que deu. Voltei no dia seguinte com um formulário que constava que eu era “desocupada/do lar”. Consegui meu visto em 24 horas e fui encontrar o Tiago em Beijing pouco menos de um mês depois do incidente.

Nesse meio tempo, li um livro que lembrava que “China was an empire when Europeans were still scavenging for roots and berries” (“A China já era um império quando os europeus ainda cavavam o solo atrás de raízes e frutas”).

Embarquei para a China com respeito: eu era apenas uma formiguinha testemunhando um gigante forte e resistente ao tempo em pleno vapor.

Foi exatamente isso que encontrei.

Post to Twitter Post to Facebook

Tags: , , ,

2 Responses to “sobre ir a china”

  1. Robison Says:

    Oiew! Mto bacana o post. Queria saber onde em Bangkok vc tirou o visto (embaixada da china neh? Meio obvio mas lembra como chegou la? Saiu da kao san rd?) e precisou de algum doc em especial? Estou na tailandia no momento mas a china esta no roteiro. Ia tirar o visto em Hong Kong, mas acho q se tirar antes eh ainda melhor. =]]

  2. Renata Says:

    Obrigada, Robison!

    Tirei o visto na Embaixada da China em Bangkok mesmo. Eu ia fazer o mesmo que você (tentar tirar em Hong Kong), mas aí foi suuuuper fácil, então recomendo.

    Esse post aqui pode te ajudar com os detalhes:
    http://migrationology.com/2011/07/how-to-get-a-china-visa-in-bangkok/

    Mas o processo, basicamente, é aparecer lá às 9h com todos os documentos em mãos + foto de passaporte + cópia do seu visto thai, seguir o fluxo da galera, pagar o visto (1.100 baht, tem uma taxa de urgência de 24h se quiserem, mas não lembro mais quanto é) e ir buscar no dia seguinte.

    Tem uma estação do metro pertinho da embaixada, o google maps te guia sem stress.

    Boa sorte!!

Leave a Reply